Diretor executivo e fundador da Abrace defende união entre as empresas canábicas para que preços caiam e pessoas de todas classes sociais tenham acesso ao tratamento

união entre as empresas canábicas

O diretor executivo e fundador da Abrace participou de talk durante a Medical Cannabis Fair que acontece em São Paulo entre os dias 23, 24 e 25 de maio. Cassiano Gomes disse que as empresas canábicas têm dado as mãos e isso proporciona uma melhoria no tratamento, não só da pessoa que tem mais condições, como também aquela que faz parte da classe C.

“Eu tenho conversado com muitas empresas e a gente se vê como parceiros e às vezes a gente indica um paciente para o outro. Eu já vi orçamento de 26 mil reais numa compra. Eu já vi pai vender apartamento para comprar. Em 2015, a mãe vendeu apartamento, um desespero, para comprar o tratamento. Teve um pai que vendeu o carro para comprar um tratamento. E quem foi que conseguiu que esses preços fossem diminuindo? As Associações. Graças ao advento das regulações estaduais”, afirmou, acrescentando que as cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e João Pessoa passaram leis.
Segundo ele, a expectativa é fazer com que o preço caia, até o ponto que seja gratuito, oferecido pelo SUS. “As Associações, porém, aí vem um lado ruim para elas. É um jogo de ganha, ganha, mas os dois lados têm responsabilidades. Qual o lado de responsabilidade das Associações? É cumprir o mínimo das exigências, sanitárias, de rastreabilidade e principalmente de preços. Então, a Abrace está conseguindo chegar nesse ponto. E a gente tá ajudando, através da união das federações, dos líderes. Estamos conseguindo ajudar as outras associações, a vim para perto, conhecer o trabalho, a estrutura, aprender como faz”, concluiu.

SAC