Hoje é o Dia Mundial de Conscientização sobre ELA

Estudos mostraram que o tratamento com Cannabis pode garantir ótimos resultados

Por Rede Abracom

Uma doença degenerativa e sem cura que pode avançar até incapacitar o paciente. Esta é a descrição da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), que tem nesse 21 de junho o seu Dia Mundial de Conscientização.

A ELA provoca fraqueza muscular, acompanhada de endurecimento dos músculos (esclerose), inicialmente em um dos lados do corpo e atrofia muscular, além de possíveis cãibras, tremor muscular, espasmos e perda da sensibilidade. É uma doença considerada rara que atinge em torno de 1% da população brasileira, além de ser de difícil diagnóstico, por isso é comum que as pessoas sejam atendidas por diversos médicos até descobrir qual é o problema e poder iniciar o tratamento.

O paciente pode ficar incapacitado, mas a visão, o olfato, o paladar, a audição, o tato e a capacidade intelectual ficam preservados. São pessoas com idade entre 50 e 70 anos, porém a causa é desconhecida.

A cura ainda não foi descoberta, mas há como diminuir o seu avanço e a Cannabis pode ser usada. Uma pesquisa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), publicada em uma revista científica alemã, analisou a ação de canabinoides para a comunicação entre os neurônios.

O estudo, feito in vitro, mostrou que os canabinoides impulsionaram a proliferação das células responsáveis pela boa comunicação entre os neurônios. A partir de agora, os testes serão feitos em animais e depois em humanos para confirmar estes resultados.

Além disso, a Cannabis é usada no tratamento da depressão que estes pacientes podem enfrentar. Um estudo realizado na Universidade de Washington, nos Estados Unidos, entrevistou 13 pacientes com ELA que relataram usar Cannabis nos últimos 12 meses. O número é pequeno e, por este motivo, é tido como indicativo do resultado, mas os entrevistados apontaram redução dos sintomas de perda de apetite, depressão, dor, espasticidade e salivação abundante.

SAC