Whatsapp: (83) 3033-8260 Tel: 0800 042 0525 contato@abraceesperanca.org.br

Notícias da Abrace

Fique por dentro de nossas novidades!

Como a cannabis medicinal pode tratar a dor crônica

A principal razão pela qual a cannabis não foi desenvolvida como uma droga potencial para tratar a dor crônica é a ignorância. Apesar do fato de que várias investigações médicas levaram ao desenvolvimento de drogas com origem na cannabis, os médicos continuam optando por tratamentos com opioides para reduzir a dor crônica.

Esta decisão desencadeia muitos inconvenientes, incluindo o vício neste tipo de droga, que no Reino Unido resulta em mais de 500 mil pacientes dependentes. Até se cogitou que esse tipo de dependência poderia ser um problema de saúde pública, uma vez que, ao longo do tempo, o dependente químico passa a ter necessidade de consumir analgésicos mais potentes.

Cannabis contra dor crônica

Nesse contexto, os cientistas britânicos estão comprometidos com o desenvolvimento de medicamentos eficazes contra a dor que não causem dependência ou sejam tóxicos. Assim, a indústria farmacêutica de cannabis destaca o uso do delta-9-tetrahidrocanabinol (THC), um canabinoide capaz de reduzir a intensidade da dor neuropática em diversas condições.

Em primeiro lugar, é preciso comentar que a dor é uma sensação que se ativa no sistema nervoso quando há risco de lesão, ou seja, como uma forma de antecipar. Existem vários tipos de dor que podem ser classificados da seguinte forma: pela duração, patogênese, localização, curso, intensidade, fator prognóstico para o controle da dor e tratamento farmacológico.

No entanto, a dor é diferenciada entre aguda e crônica. O primeiro é o resultado de uma doença repentina, inflamação ou lesão do tecido. Seu diagnóstico é quase sempre precoce e sua gravidade pode ser limitada a um determinado período. Em vez disso, a dor crônica persiste por semanas, meses e até anos após um evento doloroso inicial. É resistente à maioria dos tratamentos médicos. Portanto, neste tipo de caso, o uso de cannabis significa uma alternativa.

A dor crônica em alguns casos também é classificada como persistente, pois sua duração é contínua dia após dia, por isso tem um impacto mais forte na qualidade de vida do paciente. Por isso, a dor persistente deve ser controlada com medicamentos para evitar que as pessoas parem suas atividades diárias.

Cannabis diminuiria o uso de opioides

Por meio de um artigo publicado na HealthEuropa, Dean Billington, COO da Brains Bioceutical, empresa dedicada à pesquisa farmacêutica com canabinóides, destacou o uso da cannabis para o alívio de dores crônicas e como forma de reduzir a prescrição de opioides. Seu uso aumentou 22% na última década no Reino Unido.

Vale ressaltar que, desde novembro de 2018, o uso da cannabis medicinal é legal no país europeu. No entanto, uma alta taxa de pacientes continua a recorrer ao mercado negro para aliviar essa condição, devido à falta de educação sobre as drogas à base de cannabis.

Outro ponto contra a cannabis grátis são os procedimentos burocráticos que o farmacêutico deve realizar para vender os medicamentos (como ter licença), pois, se esse procedimento não for seguido, os médicos não podem prescrever o medicamento.

Drogas baseadas em cannabis

Deve-se notar que, no momento, existem apenas três drogas derivadas da cannabis que são úteis para o tratamento da dor crônica, que são parcialmente legais no Reino Unido e nos Estados Unidos. Portanto, seu uso em outras latitudes ainda está imerso na ilegalidade.

Os medicamentos pré-aprovados incluem Sativex para tratar a espasticidade relacionada à EM, Epidyolex, que reduz as convulsões em pacientes com síndrome de Lennox-Gastaut e síndrome de Dravet, e Nabilone, que é usado para tratar náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia.

Para Billington, essa ilegalidade é absurda, especialmente devido aos avanços na indústria farmacêutica de cannabis, como o Projeto Twenty21, que analisará 20.000 pacientes que usam cannabis medicinal para uma variedade de condições, incluindo dores crônicas. Essa pesquisa é endossada pelo Royal College of Psychiatrists e foi lançada em novembro de 2019.

Fonte: Janet Gómez/Nación Cannabis

Deixe seu comentário