83-3243-1951 contato@abraceesperanca.org.br

Notícias da Abrace

Fique por dentro de nossas novidades!
Cidinha, da Cultive, nos fundos da casa, onde planta para produzir o óleo da filha Clara

Associações veem preço proibitivo na prati

  • Para as entidades, o cultivo é a saída para um medicamento com preço acessível e abastecimento independente das crises mundiais

O laboratório Prati-Donaduzzi prometeu e cumpriu. O primeiro Canabidiol nacional registrado na Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) chegou às prateleiras das farmácias do país antes mesmo do dia das mães, que será comemorado no próximo domingo (10). A embalagem não leva nome fantasia e tem tarja preta – que requer receita especial controlada e retida na farmácia. Dentro, há um vidro de 30 ml com solução oral de 200 mg/ml. O preço promocional na Droga Raia é de R$ 2.143,30. A dosagem depende da fisiologia do paciente e da doença. Por exemplo, Clara Carvalho, 16, consome essa dosagem em 20 dias. Filha de Cidinha, fundadora da Cultive, ela tem Síndrome de Dravet, um tipo de epilepsia rara e refratária. “Minha filha precisaria de dois vidros por mês. Meu salário não chega ao valor da soma deles”, diz Cidinha.

“Já uma paciente com esclerose múltipla consome o dobro disso”, diz Cidinha, a quatro anos à frente da associação, que ensina às mães a plantar e produzir o óleo. Cidinha costuma doar o excedente do óleo, que produz para a filha. No Brasil, antes do Canabidiol da Prati, a Anvisa havia registrado um medicamento importado, o Sativex, que aqui recebeu o nome de Mevatyl. O preço é quase o mesmo do Canabidiol, R$ 2.500. A diferença está na composição. O Sativex tem 1 parte de THC e 1 parte de CBD. Já o Canabidiol, como o nome indica, é apenas CBD. Saiba abaixo o que dizem as associações sobre o medicamento.

Apepi pede urgência na regulação do plantio

“Acho que a chegada do medicamento às farmácias é uma boa oportunidade para acelerar a PL 399-15”, diz Margarete Brito, fundadora da Apepi (Associação de Apoio à Pesquisa e a Pacientes). Ela se refere ao projeto de lei que atualmente está nas mãos da Comissão da Câmara, que analisa a comercialização dos medicamentos à base de Cannabis. “A única forma de garantir o acesso é com o cultivo.” Esta é também a conclusão dos seis meses de trabalho dos deputados da comissão da Cannabis. “Para os pacientes de baixa renda o lançamento do medicamento não altera nada”, diz Brito. A Apepi produz e vende medicamentos à base de Cannabis. A mesma quantidade sai por R$ 120. “O produto elaborado pela associação e o fabricado pela Prati podem ter o mesmo efeito. A diferença é que não conseguimos dosar a quantidade de canabidiol em cada frasco. Isso porque a Apepi não tem parceria oficial com nenhuma universidade. “Com este clima de proibição”, segundo ela, nenhuma delas se dispõe a fazer este trabalho, por mais que seja interessante para ambos os lados e apesar do bom padrão do óleo da associação.

O auto-cultivo seria uma saída democrática

“A chegada do medicamento da Prati favoreceu o pronto-acesso de quem tem dinheiro para custear um tratamento caro”, diz Cidinha, da Cultive. “Mas também garante o medicamento caso exista problemas de importação. ”Cidinha é a favor do auto-cultivo e do cultivo associativo. Quando você manipula a planta inteira, é possível escolher as melhoras cepas para o paciente. “Além disso”, diz Cidinha, “a resposta também é muito melhor se comparada com a da substância isolada.” A filha Clara toma o óleo produzido com todas os canabinoides das flores da Harle-Tsu. Cidinha se refere ao um trabalho do especialista Fabrício Pamplona, uma meta-análise, realizada a partir do compilado de estudos já publicados. Ele diz que a dosagem necessária de uma remédio com substância isolada é maior do que o de um medicamento elaborado com todos os canabinóides.
Por: Valéria França

Deixe seu comentário