Whatsapp: (83) 3033-8260 Tel: 0800 042 0525 contato@abraceesperanca.org.br

Notícias da Abrace

Fique por dentro de nossas novidades!

Idosos estão usando cannabis para fins medicinais revela estudo

Pesquisadores da Escola de Medicina de San Diego da Universidade da Califórnia relatam que pessoas mais velhas estão usando cannabis principalmente para fins médicos para tratar uma variedade de condições de saúde comuns, incluindo dor, distúrbios do sono e condições psiquiátricas, como ansiedade e depressão.

O estudo, publicado em outubro de 2020 no Journal of the American Geriatrics Society, descobriu que dos 568 pacientes pesquisados, 15% haviam usado cannabis nos últimos três anos, com metade dos usuários relatando o uso regular e, principalmente, para fins médicos.

“Dor, insônia e ansiedade foram as razões mais comuns para o uso de cannabis e, na maior parte, os pacientes relataram que a cannabis estava ajudando a resolver esses problemas, especialmente com insônia e dor”, disse Christopher Kaufmann, PhD, coautor do estudo e professor assistente da Divisão de Geriatria e Gerontologia no Departamento de Medicina da UC San Diego.

Os pacientes entrevistados no estudo foram vistos na Clínica de Medicina para Idosos da UC San Diego Health por um período de 10 semanas.

Os pesquisadores também descobriram que 61% dos pacientes que usaram cannabis iniciaram o uso após os 60 anos. “Surpreendentemente, descobrimos que quase 3/5 dos usuários de cannabis relataram usá-la pela primeira vez quando eram adultos mais velhos. Esses indivíduos eram um grupo único em comparação com aqueles que usaram cannabis no passado”, disse Kevin Yang, um dos participantes do estudo.

“Os novos usuários eram mais propensos a usar cannabis por motivos médicos do que para recreação. A rota de uso da cannabis também identificou novos usuários mais propensos a usá-la topicamente como uma loção, em vez de fumar ou ingerir a partir de comestíveis. Além disso, eles eram mais dispostos a informar seu médico sobre o uso de cannabis, o que reflete que o uso da planta não é mais tão estigmatizado como era antes”, disse Yang.

Dado o aumento na disponibilidade de produtos apenas com CBD, que é um canabinoide não psicoativo em contraste com os produtos contendo THC (tetraidrocanabidiol), os pesquisadores disseram que é provável que pesquisas futuras continuem a documentar uma proporção maior de adultos mais velhos que usam cannabis ou produtos à base da planta pela primeira vez.

“As descobertas demonstram a necessidade de a força de trabalho clínica se tornar ciente do uso de cannabis por idosos e ganhar consciência dos benefícios e riscos do uso de cannabis em sua população de pacientes”, disse Alison Moore, MD, autor sênior e chefe da Divisão de Geriatria no Departamento de Medicina da UC San Diego School of Medicine. “Dada a prevalência do uso, pode ser importante incorporar informações comprovadas sobre o uso de cannabis nas escolas de medicina e perguntas de triagem sobre o uso de cannabis como parte regular das visitas clínicas”, completou Moore.

Os pesquisadores disseram que estudos futuros são imperativos para melhor compreender a eficácia e segurança de diferentes formulações de cannabis no tratamento de doenças comuns em adultos mais velhos, tanto para maximizar os benefícios quanto para minimizar os danos.

“Parece haver potencial com a cannabis, mas precisamos de mais pesquisas baseadas em evidências. Queremos descobrir como a cannabis se compara aos medicamentos disponíveis atualmente. A cannabis poderia ser uma alternativa mais segura aos tratamentos, como opioides e benzodiazepínicos? A cannabis pode ajudar a reduzir o uso simultâneo de vários medicamentos em pessoas mais velhas? Queremos descobrir quais condições a cannabis é mais eficaz no tratamento. Só então poderemos aconselhar melhor os adultos mais velhos sobre seu uso”, disse Kaufmann.

Os co-autores do estudo incluem: Reva Nafsu, Ella Lifset, Khai Nguyen e Michelle Sexton, todos da UC San Diego; e Benjamin Han e Arum Kim, da Escola de Medicina da Universidade de Nova York.

O financiamento para este estudo veio, em parte, do National Institutes of Health, do Stein Institute for Research on Aging, do Center for Healthy Aging e da Divisão de Geriatria e Gerontologia da UC San Diego.

Fonte: News Wise

Deixe seu comentário