Humorista e Cantor Whindersson Nunes lançou recentemente loja de roupas feitas com tecidos de cânhamo e algodão orgânico e que mantém parceria com projetos sociais para pessoas trans e vítimas de violência doméstica

A marca do artista tem parcerias com ONGs que geram renda e defendem mulheres vítimas de violência doméstica e pessoas trans

Empreendendo sem deixar de ser ativista, o artista Whindersson Nunes lançou sua marca de roupas com materiais como Cânhamo e algodão orgânico. Para além da ousadia na escolha dos materiais base para as roupas, a marca possui parceria com ONGs.

O Cânhamo é uma planta que pertence a éspecie da C4nn4bis sativa 1. Ele vem da fibra da planta e tem potencial industrial.

Duas ONGs estão em parceria com a recém lançada Hype Culture, as mãos que irão produzir cada peça da loja são mulheres trans que saíram da cracolândia e mulheres vítimas de violência doméstica.

Focada na sustentabilidade e impacto social, a marca vende roupas, acessórios, peças íntimas e bolsas. Além da venda desses produtos, pela escolha dos materiais, ascende o debate sobre as potencialidades de uso da m4conh4 para finalidades comerciais, a exemplo desse ramo da moda.

Para além do artista, já existem outras marcas que usam o Cânhamo em suas peças. Uma das mais conhecidas é a Reserva, ela destaca a durabilidade das roupas e sua resistência, quando comparada ao algodão comum.

Ainda não há no Brasil uma legislação que autorize a utilização comercial da fibra da m4conh4 para indústria têxtil. Um projeto na Câmara dos deputados pode mudar essa realidade, o PL 399/2015 pretende viabilizar a comercialização de derivados
da planta. Mas esse projeto ainda está caminhando a lentos passos, visto que foi apresentado em 2015 e não houve avanços significativos para sua efetivação até o momento da publicação desta matéria.

SAC